Salvos do pecado pela graça


A lei veio para aumentar o mal. Mas, onde aumentou o pecado, a graça de Deus aumentou muito mais ainda. 21 E isso aconteceu a fim de que, assim como o pecado dominou e trouxe a morte, assim também a graça de Deus, que o leva a aceitar as pessoas, dominasse e trouxesse a vida eterna. Essa vida é nossa por meio do nosso Senhor Jesus Cristo. Romanos 5:20,21.

No entendimento de Paulo a Lei foi responsável por intensificar o pecado, no sentido de trazê-lo a existência. Você sabe que está errado por causa do que a lei diz. Exemplo: andar sem o cinto de segurança no carro em movimento; avançar no sinal em vermelho; não pagar sua conta em dia; cometer furto ou roubo; etc….

Assista a mensagem deste sermão em nosso Canal. Aproveite para comentar, curtir, compartilhar e se inscrever.

I – O que Paulo diz a respeito da Lei e do pecado?

O pensamento de Paulo se contrapõe a crença dos Judeus que viam a Lei como um agente salvador. Exemplo, para os legalistas: faça o que a lei diz e pronto, está salvo; não importa o que você pensa, desde que cumpra a lei.

Base de O Novo Testamento Interpretado, da Milenium Distribuidora Cultural, 7⁰ edição, 1989.

  1. É a lei que faz com que a ofensa se torne mais claramente visível, mais compreendida, removendo todos os motivos possíveis de desculpa.
  2. se está na lei, não há como se desculpar, deve ser obedecido e ponto final.
  3. A lei estimula a transgressão porque desperta impulsos pecaminosos dormentes. As regras são feitas para serem desobedecidas. Porém, alguns se deleitam em fazer algo proibido, dando-lhes a sensação de prazer
  4. quem já cometeu um erro, mesmo sabendo que era proibido, pelo simples prazer em desobedecer a uma regra?
  5. A lei agravou a questão da imputação do pecado, tornando a transgressão algo mais sério, uma vez que traz maior compreensão do mal causado pelo pecado, torna o seu rigor mais intenso.
  6. quando você sabe que o que faz é errado e mesmo assim persiste no erro, torna a sua falta grave.
  7. A lei que revela tão claramente a natureza do pecado, leva os homens a inimizade contra Deus. Os homens passam a odiar a Deus não apenas por sua severidade, rigidez e mandamentos impossíveis de serem guardados, mas pela oportunidade de redenção por Jesus Cristo.
  8. por que Deus cria regras proibitivas se depois perdoa aqueles que se arrependem de tê-las praticado?
  9. Não seria mais fácil liberar geral, ao invés de criar regras que Deus sabe que iremos quebrá-las só pelo prazer de depois enviar um salvador, sob pretexto de nos salvar de nós mesmos?
  10. A lei impossibilita a salvação, uma vez que é impossível guardá-la. O legalista pode carregar inveja, ódio, pecados ocultos etc. que o torna um infrator perante a lei; e isso, por sua vez, mostra a necessidade da graça. A pessoa pode parecer cumprir a lei sob a vista de todos, mas no oculto ou em seu interior transgredi-la.
  11. Não podemos negar que a lei é benéfica e evita muitos males. Porém, por causa da sua rigidez é impossível aos seres humanos cumpri-la totalmente.
  12. A graça anula a condenação pela lei quando nos oferece a oportunidade de perdão e reconciliação com Deus por intermédio de Jesus, que nos purifica de todo pecado. Exemplo: imagine alguém que cumpre 80% da lei, essa pessoa ainda não alcançou o ideal que seria 100%. A graça completa os 20% restante, tornando a pessoa aceita por Deus.
  13. A abundância do pecado força a abundância da graça. O exercício da lei é o que dá poder ao pecado. Se não houvesse lei, não haveria pecado.
  14. lembro que nos anos 80 não havia radares nas estradas. A partir do momento em que os radares foram adicionados, os limites de velocidade passaram a ser punidos com multa, os motoristas reduziram a velocidade. Por esse motivo, muitos motoristas tornaram-se infratores não só por vontade própria, mas por descuido e até mesmo rigor excessivo ou vingança de agentes públicos que multam indevidamente.
  15. – As pessoas tinham se tornado reféns da lei e suas interpretações pelos mestres e doutores, que tornavam as pessoas culpadas por coisas simples, como ajudar alguém em necessidade num dia de sábado, colher espigas de milho para comer durante o sábado ou condenar a morte a mulher adultera ou prostituta enquanto seu companheiro de pecado era isento de culpa.
  16. A lei, que Paulo se refere, não existia para Adão, Abraão, a humanidade em geral antes de Moisés. Ela foi adicionada ou sobreveio como um acréscimo cujo intuito era ajudar, mas falhou em seu propósito. Pelo contrário, a lei aliou-se ao princípio do pecado-morte e levou esse princípio a dominar o mundo inteiro.
  17. embora a lei tenha beneficiado a boa convivência entre pessoas, estabelecido um padrão social que trouxe paz, ela ignora a motivação que leva alguém a cometer um erro condenado por ela. A lei é totalmente cega e sem sentimentos. Não havia misericórdia na lei e suas variantes sob interpretação dos doutores e mestres judeus.
  18. A reação divina foi radical. Deus enviou seu Filho em sua missão salvadora até a cruz, mas ressuscitou-o com vista à nossa justificação. A missão do Filho fez a graça abundar e através do seu sacrifício nos concede a vida eterna. A qualidade da salvação mostra-nos quão abundante é a graça de Deus.
    1. Deus vê o coração da pessoa. Ele é único que pode julgar com honestidade as pessoas, porque conhece suas verdadeiras intenções e motivações e oferece a sua graça para restaurar o que o pecado corrompeu.

O QUE A GRAÇA DE DEUS PROPORCIONA?

I – Em primeiro lugar, a graça de Deus nos salva da culpa do pecado

  1. O pecado é uma ofensa contra Deus. Ele tem a sua origem na humanidade em Adão, por sua culpa todos os seres humanos se tornaram pecadores e necessitam da graça de Deus para receber o perdão, Romanos 5:12 – O pecado entrou no mundo por meio de um só homem, e o seu pecado trouxe consigo a morte. Como resultado, a morte se espalhou por toda a raça humana porque todos pecaram.
  2. O pecado gerou a morte física e espiritual de todos os seres humanos, Romanos 6:23 – Pois o salário do pecado é a morte, mas o presente gratuito de Deus é a vida eterna, que temos em união com Cristo Jesus, o nosso Senhor.
  3. O pecado gera culpa interior, por ser contrário a natureza divina. Salmos 32:3-6 – Enquanto não confessei o meu pecado, eu me cansava, chorando o dia inteiro. 4 De dia e de noite, tu me castigaste, ó Deus, e as minhas forças se acabaram como o sereno que seca no calor do verão. 5 Então eu te confessei o meu pecado e não escondi a minha maldade. Resolvi confessar tudo a ti, e tu perdoaste todos os meus pecados.

Deus em sua misericórdia, manifestou a sua graça como perdoador e salvador da humanidade. Jesus Cristo é a grande expressão do amor de Deus por nós: ele tomou sobre si os nossos pecados; assumiu a nossa culpa; pela sua morte obtivemos o direito a reconciliação com Deus; por meio do seu sacrifício fomos justificados diante de Deus.

  • Toda essa manifestação da graça de Deus tem custo zero para o pecador, é um presente de Deus. Efésios 2:8-10 – Pois pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé. Isso não vem de vocês, mas é um presente dado por Deus. 9 A salvação não é o resultado dos esforços de vocês; portanto, ninguém pode se orgulhar de tê-la. 10 Pois foi Deus quem nos fez o que somos agora; em nossa união com Cristo Jesus, ele nos criou para que fizéssemos as boas obras que ele já havia preparado para nós.
  • Romanos 3:24-26 – Mas, pela sua graça e sem exigir nada, Deus aceita todos por meio de Cristo Jesus, que os salva. 25-26 Deus ofereceu Cristo como sacrifício para que, pela sua morte na cruz, Cristo se tornasse o meio de as pessoas receberem o perdão dos seus pecados, pela fé nele. Deus quis mostrar com isso que ele é justo. No passado ele foi paciente e não castigou as pessoas por causa dos seus pecados; mas agora, pelo sacrifício de Cristo, Deus mostra que é justo. Assim ele é justo e aceita os que creem em Jesus
  • Jesus permite que os pecadores se libertem da culpa do pecado. Quem aceita esse presente de Deus é justificado; é como se nunca houvesse cometido o pecado. Exemplos bíblicos:
  • Enquanto a culpa gera acusações, vergonha e morte; Jesus oferece uma chance para recomeçar. A mulher apanhada em adultério foi liberta da culpa imposta pelos seus acusadores, João 8:10,11 – Então Jesus endireitou o corpo e disse: — Mulher, onde estão eles? Não ficou ninguém para condenar você? 11— Ninguém, senhor! — respondeu ela. Jesus disse: — Pois eu também não condeno você. Vá e não peque mais!]
  • Enquanto a culpa gera rejeição social; Jesus aceita e restaura a honra. Zaqueu recebeu Jesus em sua casa e foi agraciado com a salvação. Lucas 19:8-10 – Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: — Escute, Senhor, eu vou dar a metade dos meus bens aos pobres. E, se roubei alguém, vou devolver quatro vezes mais. 9 Então Jesus disse: — Hoje a salvação entrou nesta casa, pois este homem também é descendente de Abraão. 10 Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar quem está perdido.
  • Enquanto a culpa produz condenação e morte; Jesus justifica e garante vida eterna. O ladrão punido na cruz, recebeu o perdão minutos antes da sua morte. Lucas 23:42,43 – Então disse: — Jesus, lembre de mim quando o senhor vier como Rei! 43 Jesus respondeu: — Eu afirmo a você que isto é verdade: hoje você estará comigo no paraíso.
  • Enquanto a culpa gera enfermidades de qualquer natureza; Jesus oferece cura e perdão. Um homem doente, auxiliado por seus amigos que o levou até Jesus, foi curado da culpa que lhe causou a paralisia. Marcos 2:5 – Jesus viu que eles tinham fé e disse ao paralítico: — Meu filho, os seus pecados estão perdoados.

Um homem tinha dois filhos pequenos. Eles faziam tudo ao contrário do que o pai dizia. Certo dia, voltan­do para casa, os filhos tinham deso­bedecido novamente. Haviam sido avisados de que seriam disciplinados se fossem desobedientes outra vez. O pai levou os dois para o quarto, ti­rou a camisa, entregou ao filho a cinta de couro. Ajoelhou-se e disse: “Agora, você vai dar dez cintadas no pai.” O filho recusou-se bater no pai. Mas o pai exigiu e o filho obedeceu até que vergões vermelhos se formaram em suas costas. Depois, foi a vez do segundo filho. Com relutância, ele bateu no pai até o sangue escorrer. Depois, o pai abraçou os filhos, todos choraram e nunca mais foram rebeldes.

  • Foi isso que aconteceu conosco. Nós desobedecemos e pecamos. Torna­mo-nos rebeldes, merecíamos cas­tigo. Mas Deus não podia passar por alto nossa desobediência. Que fez Ele? Jesus tirou a camisa. Foi para o poste do suplício, sendo açoita­do, coroado com espinhos e finalmen­te crucificado. Hoje, Ele pode nos re­ceber, dando-nos o abraço do perdão. Quão agradecidos deveríamos ser a Jesus por ter ocupado nosso lugar! Foi por sua graça que nos livramos da culpa do pecado!

II – Em segundo lugar, a graça de Deus nos salva da influência do pecado

  • Quando o pecado influencia nossas preferências, ele parece agradável e bom. A mente é naturalmente predisposta a pensar que tudo o que é agradável é correto. Portanto, quando um desejo pecaminoso vence a vontade, também lesa o entendimento. Jonathan Edwards
  • O que a influência do pecado produz na vida das pessoas? Paulo diz em Gálatas 5:19-21 – As coisas que a natureza humana produz são bem-conhecidas. Elas são: a imoralidade sexual, a impureza, as ações indecentes, 20 a adoração de ídolos, as feitiçarias, as inimizades, as brigas, as ciumeiras, os acessos de raiva, a ambição egoísta, a desunião, as divisões, 21 as invejas, as bebedeiras, as farras e outras coisas parecidas com essas. Repito o que já disse: os que fazem essas coisas não receberão o Reino de Deus.
  • Mesmo tendo conhecimento de quem é Deus, as pessoas que estão sob a influência do pecado ignoram a Sua existência.  Romanos 1:21-32 – 21 Eles sabem quem Deus é, mas não lhe dão a glória que ele merece e não lhe são agradecidos. Pelo contrário, os seus pensamentos se tornaram tolos, e a sua mente vazia está coberta de escuridão. 24 Por isso Deus entregou os seres humanos aos desejos do coração deles para fazerem coisas sujas e para terem relações vergonhosas uns com os outros. 

Quando a pessoa se converte a Deus os seus pecados são perdoados e se inicia uma nova vida, longe da influência do pecado. O Espírito Santo passa a conduzir sua vida e a Palavra de Deus mostra qual o padrão que Deus exige do convertido. Seus pensamentos, emoções, sentimentos e ações são submetidos a vontade de Deus.

  • Colossenses 3:8-10 – Antigamente a vida de vocês era dominada (influenciada) por esses desejos, e vocês viviam de acordo com eles. 8 Mas agora livrem-se de tudo isto: da raiva, da paixão e dos sentimentos de ódio. E que não saia da boca de vocês nenhum insulto e nenhuma conversa indecente. 9 Não mintam uns para os outros, pois vocês já deixaram de lado a natureza velha com os seus costumes 10 e se vestiram com uma nova natureza. Essa natureza é a nova pessoa que Deus, o seu criador, está sempre renovando para que ela se torne parecida com ele, a fim de fazer com que vocês o conheçam completamente.
  • A obediência do crente a Palavra de Deus é resultado da salvação, João 14:15 – Jesus continuou: — Se vocês me amam, obedeçam aos meus mandamentos. Eu obedeço porque sou salvo e não para ser salvo,

III – Por último, a graça de Deus nos salva da presença do pecado

Quando Adão e Eva pecaram, o pecado passou a ser parte da sua natureza e consequentemente de toda raça humana. Romanos 5:12 – O pecado entrou no mundo por meio de um só homem, e o seu pecado trouxe consigo a morte. Como resultado, a morte se espalhou por toda a raça humana porque todos pecaram.

  • O salmista declarou que o pecado estava presente em sua vida desde o seu nascimento. Salmos 51:3-5 – Pois eu conheço bem os meus erros, e o meu pecado está sempre diante de mim. 4 Contra ti eu pequei — somente contra ti — e fiz o que detestas. Tu tens razão quando me julgas e estás certo quando me condenas.5 Eu nasci na iniquidade, e em pecado me concebeu minha mãe.
  • Paulo reconheceu que o pecado continuava presente em sua vida, mesmo depois da sua conversão. Romanos 7:19,20 – Pois não faço o bem que quero, mas justamente o mal que não quero fazer é que eu faço. 20 Mas, se faço o que não quero, já não sou eu quem faz isso, mas o pecado que vive em mim é que faz.
  • O que salvou Paulo da presença do pecado foi o conhecimento que ele alcançou sobre a verdadeira lei de Deus. Romanos 7:20,25 – Mas, se faço o que não quero, já não sou eu quem faz isso, mas o pecado que vive em mim é que faz. 25 Que Deus seja louvado, pois ele fará isso por meio do nosso Senhor Jesus Cristo! Portanto, esta é a minha situação: no meu pensamento eu sirvo à lei de Deus, mas na prática sirvo à lei do pecado.
  • Embora o pecado esteja presente no corpo, a presença do Espírito de Deus em nossa consciência detém o poder do pecado sobre nós. Romanos 8:1,2 – Agora já não existe nenhuma condenação para as pessoas que estão unidas com Cristo Jesus. 2 Pois a lei do Espírito de Deus, que nos trouxe vida por estarmos unidos com Cristo Jesus, livrou você da lei do pecado e da morte. 3 Deus fez o que a lei não pôde fazer porque a natureza humana era fraca. Deus condenou (a presença do pecado) o pecado na natureza humana, enviando o seu próprio Filho, que veio na forma da nossa natureza pecaminosa a fim de acabar com o pecado. 4 Deus fez isso para que as ordens justas da lei pudessem ser completamente cumpridas por nós, que vivemos de acordo com o Espírito de Deus e não de acordo com a natureza humana.

Só podemos vencer a presença do pecado em nós, se a nossa consciência for submetida a vontade soberana de Deus. Tudo começa na mente, Romanos 12:2 – Não vivam como vivem as pessoas deste mundo, mas deixem que Deus os transforme por meio de uma completa mudança da mente de vocês. 

  • Quando a pessoa aceita a Cristo como Senhor e Salvador, o pecado perde sua influência sobre a nova pessoa. Romanos 6:14 – O pecado não dominará vocês, pois vocês não são mais controlados pela lei, mas pela graça de Deus.
    • Uma vez entregue a Cristo, a vontade de Deus é soberana e o pecado perde o seu domínio sobre você. I Pedro 4:1-2 – Por isso, assim como Cristo sofreu no corpo, vocês também devem estar prontos, como ele estava, para sofrer. Porque aquele que sofre no corpo deixa de ser dominado pelo pecado. 2 Então, de agora em diante, vivam o resto da sua vida aqui na terra de acordo com a vontade de Deus e não se deixem dominar pelas paixões humanas
  • O crente é uma nova criatura, o pecado dá lugar a presença do Espírito Santo. II Coríntios 5:17 – Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo. Porém, lembre-se disso: a batalha continua. Essa é uma guerra contínua entre a nova e velha natureza até a morte física.
Logo Independencia com Cristo OFICIAL

Contribua para este ministério

Ajude-nos levar a mensagem do evangelho para mais pessoas. Deus te abençoe!

R$ 100,00

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: